ENTIDADES PEDEM TARIFAS IGUAIS ENTRE BRASIL E EUA PARA AÇÚCAR E ETANOL

Às vésperas do fim do prazo da isenção tarifária da cota para a entrada de etanol de milho dos Estados Unidos no Brasil, o setor sucroenergético nacional enviou carta ao presidente Jair Bolsonaro pedindo a não renovação das vantagens para o produtor estrangeiro, se o governo Trump mantiver o tratamento desigual, com altas taxas para a entrada do açúcar brasileiro no mercado norte-americano.

Além da Federação dos Plantadores de Cana do Brasil (Feplana), que representa mais de 60 mil agricultores, a carta também é assinada pelo Fórum Nacional Sucroenergético, União da Indústria da Cana-de-Açúcar (Unica) e pela Organização de Associações de Produtores de Cana do Brasil (Orplana).

Em 2020, completam 10 anos que o Brasil flexibilizou as barreiras tarifárias para entrada do etanol dos EUA a fim de que o mesmo pudesse ocorrer na exportação de produtos nacionais, como o açúcar. Apesar de sete anos de isenção total da cobrança de 20% sobre o etanol estrangeiro e mais os três últimos anos com o relaxamento da taxa sobre até 600/750 milhões de litros, o governo norte-americano mantém elevadas suas tarifas para a entrada do açúcar brasileiro. O valor da taxa é superior até que o do produto. Não por acaso, somente 1% de todo o açúcar verde amarelo exportado vai para os EUA. Porém, no fim do mês, acaba o prazo da validade da flexibilização tarifa da entrada do etanol de fora do Mercosul.

O governo Bolsonaro avalia se renova ou não essas cotas de isenção. O governo Trump, por sua vez, reivindica a liberação total da taxação e não de 750 milhões de litros. Já a cadeia produtiva de etanol brasileiro é contrária à renovação de qualquer cota de isenção pelos motivos óbvios: falta reciprocidade entre a política tarifárias dos países. Alertam que a flexibilização tem inundado o mercado interno com o etanol subsidiado dos EUA, em competição desigual com o local, prejudicando todo setor sucroenergético brasileiro: 360 usinas e destilarias, 70 mil canavieiros e os seus 750 mil postos de trabalho diretos e 1,5 milhão indiretos no país.

"A manutenção da isenção de cotas para os EUA ou a liberação total, sem tratamento igual por Trump relativo a nosso açúcar, desestabilizará o setor produtivo brasileiro", afirma Alexandre Andrade Lima, presidente da Feplana. Por essa e outras questões, a entidade, juntamente com as demais da cadeia sucroenergética nacional, solicitaram de Bolsonaro o seu apoio para que a Câmara do Comércio Exterior (Camex) não renove a concessão para os EUA ou outro país de fora do Mercosul, bem como não seja liberada mais nenhuma cota, enquanto o açúcar estiver taxado.

Na carta das entidades já recebida por Bolsonaro é chamada a atenção para o cenário dramático que já enfrenta o segmento diante dos reflexos econômicos da pandemia do coronavírus, como redução do consumo de etanol e a queda do preço do petróleo, elevando a concorrência com o etanol frente à gasolina.

Além disso, o produtor brasileiro convive com o excedente do etanol dos EUA, grande parte dele despejado no mercado do Brasil. Lembra também da previsão da supersafra de milho nas terras do tio San, matéria-prima do etanol deles que tenha a elevar a produção.

Outra distorção destacada na carta para Bolsonaro trata do PIS/Cofins maior cobrado sobre o etanol nacional do que no de fora. O doméstico tem de pagar R$ 0,13 por litro, enquanto o estrangeiro só desembolsa 11,25%. Além disso, tal percentual ainda pode ser utilizado pelo importador enquanto crédito, o que é proibido em relação ao combustível brasileiro. "É mais outro tratamento desigual em favor do produto estrangeiro, o que colabora para destruição da cadeia produtiva nacional. Não faz sentido. Isso também precisa ser revisto", diz Lima.

Fonte: Canal Rural

Rua Caraguatatuba, 4.000 Bloco 2 / CEP 14078-548 / JD Joquei Clube / Ribeirão Preto / SP

16 3626-0029 / 3626-0241 / contato@assovale.com.br

Criação de sites GS3