PNUD incentiva uso da palha de cana-de-açúcar na produção de energia elétrica

Iniciativa do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) acompanha quatro usinas de cana-de-açúcar no estado de São Paulo com o objetivo de avaliar boas práticas e desafios no aproveitamento da palha do vegetal, que pode ser usada para gerar energia elétrica. Projeto tem orçamento de 67,5 milhões de dólares.
Para definir os rumos do projeto SUCRE — iniciativa do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) para promover o uso da palha de cana-de-açúcar na produção de energia elétrica —, a agência da ONU divulgou os resultados de dois anos de acompanhamento junto a quatro usinas parceiras. Avaliação aborda principais obstáculos à expansão do modelo sustentável de reaproveitamento dos insumos.
Em 2017, o SUCRE — sigla para Sugarcane Renewable Electricity ou Eletricidade Renovável da Cana-de-Açúcar, em português — completou dois anos. Desde o início de sua implementação, o projeto trabalhou com quatro usinas do estado de São Paulo que utilizam a palha do vegetal para gerar energia. Instalações estão localizadas em Quatá, Serrana, São Joaquim da Barra e Barra Bonita.
Ao longo do último biênio, o Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol (CTBE) e o PNUD coletaram mais de 1,2 mil amostras de materiais utilizados na produção alternativa de eletricidade dentro de cadeias sucroenergéticas. Em 2015, o SUCRE empreendeu 25 viagens a usinas. Em 2016, foram 80 visitas.
Entre os desafios identificados pelo PNUD, estão a falta de dados sobre a quantidade recomendada de palha que deve permanecer nos canaviais, levando em conta os benefícios agronômicos e seu valor como combustível.
A agência da ONU também alerta para a presença de impurezas minerais na palha que é coletada e compactada em fardos, o que pode prejudicar a produção de energia elétrica. Outro problema é que a queima da palha nas caldeiras das usinas pode provocar erosão, corrosões e incrustações nas superfícies internas dos fornos.
Os próximos passos do PNUD e dos parceiros da iniciativa é realizar análises das safras 2017/2018 e promover debates sobre marcos regulatórios voltados especificamente para a eletricidade gerada pela palha. O projeto é financiado pelo Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF), que prevê um orçamento total de 67,5 milhões de dólares para os cinco anos de duração do SUCRE.


Fonte: Portal Nações Unidas do Brasil (OnuBr)

Rua Caraguatatuba, 4.000 Bloco 2 / CEP 14078-548 / JD Joquei Clube / Ribeirão Preto / SP

16 3626-0029 / 3626-0241 / contato@assovale.com.br

Criação de sites GS3